Protheus e FTP Client – Parte 02

Introdução

No post anterior (Protheus e FTP Client), vimos um exemplo básico de identificação da existência de um arquivo, e como fazer para baixar o arquivo do FTP em uma pasta local a partir do RootPath do ambiente Protheus. Agora, vamos ver com mais detalhes algumas propriedades interessantes da classe TFTPClient.

Propriedades da classe TFTPClient

Todas as propriedades e métodos da classe estão documentadas na TDN, vide link nas referências, no final do post, porém vamos ver algumas delas uma riqueza maior de detalhes, para entender onde é preciso utilizá-las.

bFireWallMode

Esta propriedade indica se a conexão com o FTP será Ativa ou Passiva. Para esta propriedade ter efeito, ela deve ser setada antes de estabelecermos a conexão com o FTP Server.

Em poucas palavras, o FTP usa duas conexões entre o Cliente e o Servidor FTP, uma conexão de dados e outra de controle. Quando usado o modo Ativo (bFireWallMode = .F.  — DEFAULT) , o FTP Server estabelece a conexão de dados em uma porta aberta e indicada pelo Cliente, que abre primeiro a conexão de controle na porta 21 do FTP Server. Pela perspectiva do Firewall do Cliente FTP, uma sistema externo está tentando conectar-se com um cliente interno, o que normalmente é restrito.

Quando habilitamos a propriedade bFireWallMode para .T., indicamos ao Cliente de FTP que ele deve estabelecer a conexão em “Modo Passivo”. Uma vez que o FTP Server seja capaz de trabalhar com a conexão em modo passivo, o Cliente de FTP abre as duas conexões — controle e dados — no FTP Server, na seguinte sequência: Após abrir a conexão de controle no FTP Server, o cliente informa ao FTP Server que a conexão deve ser passiva, então o FTP Server retorna um número de uma segunda porta — acima de 1024 — para o Cliente abrir a conexão de dados, sem precisar abrir um range de portas no Cliente FTP.

— Observação – O Protheus como FTP Server não suporta o modo passivo.  —

bUsesIPConnection

Esta configuração pode ser necessária quando o servidor onde o Protheus Server está sendo executado possua mais de uma interface de rede. Quando o FTP Client não está em modo passivo, e deve receber a conexão de dados de “volta”do FTP Server, normalmente o FTP Client busca o IP da máquina atual para enviar ao FTP Server, porém quando a máquina têm mais de uma interface de rede, não é garantido que o IP retornado seja por exemplo o IP “Externo”, que aceite a conexão. Quando habilitamos a propriedade bUsesIPConnection para .T., o FTP Client pega o IP da Interface de rede que estabeleceu a conexão de controle com o FTP, para informar ao FTP Server onde ele deve fazer a conexão de dados.

cErrorString

Esta é uma propriedade de consulta. Normalmente os métodos da classe cliente de FTP retornam “0” (zero) em caso de sucesso, e em caso de falha um código de erro. A lista de código de erros está documentada neste link da TDN, porém quando um método retorna erro, a propriedade cErrorString é alimentada com a descrição do erro retornado. Isto facilita a montagem de uma mensagem ou LOG de erro com mais detalhes.

nConnectTimeout

Por default, o time-out de tentativa de conexão com o FTP Server é de 5 segundos. Para alterar este tempo (em segundos) antes de estabelecer a conexão, defina o valor desejado nesta propriedade. Alguns servidores — dependendo da velocidade e latência de rede — podem precisar de um tempo um pouco maior.

nControlPort

Caso já exista uma conexão estabelecida com o FTP Server, esta propriedade informa a porta que foi usada para a conexão de controle (DEFAULT=21). Se esta propriedade for setada antes da conexão estabelecida, ela define a porta default de conexão com o FTP Server. O método FTPConnect(), usado para estabelecer a conexão, permite opcionalmente receber a porta de conexão no segundo parâmetro. Caso este não seja informado, será usada a porta definida na propriedade nControlPort.

nDataPort

Caso já exista uma conexão estabelecida com o FTP Server, esta propriedade informa qual é a porta TCP do FTP Client usada para estabelecer a conexão de dados. Quando não usamos o modo passivo, o FTP Client usa uma porta randomicamente sorteada entre 10 e 30 mil.

nDirInfo

Esta propriedade, quando consultada, realiza uma busca da lista de arquivos da pasta atual setada na conexão com o FTP Server. retornando em caso de sucesso o valor 0 (zero), caso contrário retorna o código do erro ocorrido. Normalmente realizamos a busca dos arquivos disponíveis na pasta atual usando o método Directory(), que internamente também realiza a busca de arquivos da pasta atual do FTP Server, permitindo inclusive um retorno filtrado por um arquivo específico ou o uso de máscaras (* e ?).

nDirInfoCount

Após uma consulta à propriedade nDirInfo,  a propriedade nDirInfoCount informa quantos arquivos foram encontrados na pasta atual do FTP Server.

nTransferMode

Esta propriedade indica e permite alterar o modo interno de transferência de dados entre o FTP Client e o FTP Server. Este valor deve ser setado após estabelecida a conexão com o FTP Server. Existem três modos de transferência: 0=Stream, 1=Block e 2=Compressed. O modo Stream é o DEFAULT. A RFC 959 explica em detalhes cada um dos modos, porém vejamos uma síntese de cada um.

Stream significa que os dados do arquivo são transmitidos em um modo contínuo, usando algumas sequencias de escape internas de controle, é o modo mais comum de transmissão; Block indica o uso de uma sequência de blocos de dados formatados em cabeçalho e conteúdo; e Compressed indica o uso de um algoritmo simples de controle para transmissão de bytes repetidos — economizando no tráfego de rede quando existem sequências do mesmo byte repetidas no arquivo a ser transmitido — veja mais detalhes sobre Run-length Encoding.

nTransferStruct

Permite alterar o modo como os dados são tratados na transferência. Os modos disponíveis são: 0=File (DEFAULT), 1=Record e 2=Page. A implementação de arquivo (File) é normalmente a mais utilizada, pois não interfere em seu conteúdo. Já as estruturas de transferência orientadas a registro (Record) e página (Page) podem ter interferências e sofrerem ajustes em uma das pontas da conexão, dependendo da plataforma em uso. Recomenda-se o uso da opção default (0=File), salvo em necessidades de integrações específicas.

nTransferType

Permite definir o tipo de transferência de dados usada na conexão. Por padrão, a transferência é do tipo 1=Image. Isto significa que os dados do arquivo são transmotidos em modo binário, isto é, a sqeuência de Bytes que compõe o arquivo, independente de seu conteúdo, é transmitida e recebida sem alteração.

Quando usado o tipo 0=ASCII, feito exclusivamente para a transmissão de arquivos texto (Texto Simples, sem UTF-8 ou caracteres especiais), podem haver alterações do conteúdo do arquivo entre plataformas, inclusive em casos onde isto seja desejável. Por exemplo, um arquivo texto puro no Windows usa dois bytes (CRLF) para indicar final de linha. Ao ser transmitido por FTP para uma estação Linux, usando o modo 0=ascii, as quebras de linha serão salvas no linux apenas com LF. Porém, se você setar o modo ascii e acidentalmente transmitir um arquivo de imagem ou outro arquivo de conteúdo binário, fatalmente ele vai ser “corrompido” no processo de gravação de quem estiver recebendo o arquivo.

Conclusão

Por hora, este post fica apenas como referência destas propriedades. No próximo sobre este assunto, vamos montar algo um pouco “maior” com a classe client de FTP.

Agradeço novamente a audiência, e desejo a todos TERABYTES DE SUCESSO !!! 

Referências

2 comentários sobre “Protheus e FTP Client – Parte 02

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s