Introdução a Informática – Parte 04

Introdução

No post anterior (Introdução a Informática – Parte 03), vimos que tudo são Bytes, a tabela ASCII, e uma visão geral de sistema de arquivos — o que são arquivos, como bytes são armazenados, formatos comuns, etc. Nesse post, vamos finalizar a “Introdução da Informática”, para abrir caminho para a “Processamento de Dados e Programação” 😀

Computadores, para todos os gostos

Um telefone celular microprocessado — também chamado de “SmartPhone” — possui praticamente todos os componentes de um computador: Um processador, uma unidade de armazenamento de dados e programas não-volátil, um sistema operacional  (IOs, Android, entre outros), programas construídos para serem executados neste sistema operacional, dispositivos de entrada e saída — o vídeo pode ser “touch”, serve para a entrada de informações e operação do equipamento, alto-falantes, microfone. Um SmartPhone é um computador.

Enumerar as diferenças entre computadores pode gerar uma lista imensa de fatores: Tipo do processador ( CISC , RISC ) , arquitetura ( i386, x86_64, ARM, PPC, SPARC ), quantidade de processadores, velocidade de processamento, capacidade de armazenamento, sistema operacional utilizado, etc. Para evitar comparações de bananas com laranjas, classificamos os computadores por capacidade de processamento (Microcomputador, Mainframe, Supercomputador) e pela função ou uso para o qual ele foi projetado (Estação de trabalho — workstation ou desktop , Servidor , Sistema embarcado).

Como eu já disse anteriormente, esse assunto é literalmente “um outro universo”, ainda bem que temos acesso a muitas fontes de pesquisa e documentação através da Internet !! Quer ler e saber mais sobre isso ? Use o GOOGLE, WIKIPEDIA, e o que mais você tiver acesso !!

Salada de Bytes e Programação

Cada tipo de computador pode possuir um sistema operacional diferente, alguns sistemas operacionais possuem versões construídas para serem executadas em mais de um tipo de equipamento. Da mesma forma, existem aplicativos compatíveis com estes sistemas operacionais — alguns projetados para executar apenas em um sistema operacional, outros projetados para serem executados em mais de um sistema operacional. Quanto as linguagens de programação, o leque aumenta ainda mais: Existem muitas linguagens, cada uma com características e diferenciais para atender a todos os gostos e necessidades, as diferenças vão além do dialeto e da sintaxe, mas também da forma que funções e programas são escritos e executados — linguagens procedurais, funcionais, meta-linguagens, orientadas a objeto, visuais, estruturadas, etc.

Porém, todas elas têm um ponto em comum: Servem para descrever a execução de uma tarefa de manipulação ou transformação de dados — também conhecido pelo termo “processar um dado ou informação”. Independente da linguagem ou abordagem, cada parte de um programa, classe, função ou método, possui um objetivo e executa uma sequência de instruções. O que muda é como estas sequencias são escritas e agrupadas, mas a lógica é basicamente a mesma: qualquer linguagem possui basicamente instruções de decisão, comparação e repetição. E com isso, você literalmente faz muita, muita coisa legal !!

Você é um computador ?!

Em uma comparação literal, você não “é” um computador,  mas você têm mais pontos em comum com um computador do que você imagina ! Você têm um processador com memoria de curto e longo prazo embutidos (cérebro — um circuito elétrico e bioquímico de neurônios) , possui dispositivos de entrada — visão, audição, paladar, tato — e de saída — boca (voz), mãos (gestos), e você é capaz de executar um programa — uma sequencia de operações definida em uma ordem determinada, que você é capaz de entender e executar.

Se eu escrever uma lista passo-a-passo do procedimento de escovar os dentes ou preparar uma refeição, mesmo que você nunca tenha efetivamente feito isso, você entende o que deve ser feito, e é capaz de fazê-lo. Mas se eu trocar a ordem de alguma etapa ou escrever algo errado na lista, ou o resultado não sai, ou sai errado.

Escovando os dentes

Explicar para uma criança como escovar os dentes não é tão difícil … ao realizar essa tarefa pela primeira vez, a dificuldade maior vai ser a coordenação motora. Mas você vai ter que ensinar a ela o que é a pasta de dentes, onde fica, como abre, como coloca a pasta na escova, como segurar a escova, como escovar os dentes, quais dentes — não dá para escovar todos ao mesmo tempo — , etc. Mesmo assim, não é tão difícil. Agora, se você precisa descrever o processo de escovar os dentes com o detalhe de todos os recursos envolvidos e as condições do que fazer para cada possibilidade, descrever a tarefa não é difícil, apenas vai dar mais trabalho.

  1. Localize a sua escova de dentes e um creme dental. Se você está na sua casa, procure no espelho do banheiro. Se você está na escola, procure no estojo da sua mochila.
  2. Procure um banheiro com pia.
  3. Verifique se têm água na pia antes de escovar os dentes. Se não tiver água na pia, procure outra pia ou banheiro. Não têm água em nenhuma torneira, pegue um copo de água do bebedouro. Não tem água ? Não dá pra escovar os dentes …
  4. Molhe a escova, coloque um pouco de pasta na escova.
  5. Abra a boca, e esfregue a escova com a pasta na parte da frente (ou externa ) dos dentes de baixo do lado esquerdo da boca, depois os dentes superiores do lado esquerdo, depois repita o processo para os dentes do lado direito, e para os dentes da frente.
  6. Repita o processo para todos os dentes, esfregando a parte de dentro dos dentes.
  7. Para os dentes laterais , repita o processo de escovação da parte de cima dos dentes.
  8. Enxágue a boca bochechando um pouco de água, repita o processo até eliminar os resíduos da pasta de dentes.
  9. Seus dentes estão escovados – fim da tarefa.

Se você parar para detalhar todas as pequenas etapas intermediárias desse processo — desde identificar a forma de abrir a pasta de dentes, a sequencia de pegar e posicionar pasta e a escova para colocar a pasta na escova, e as etapas implícitas ( fechar a pasta de dentes apos o uso, abrir e fechar a torneira, etc ), essa instrução pode ficar bem grande.

Programando

Escrever um programa de computador segue uma lógica bem similar. O texto com as instruções a serem executadas é o seu programa, você vai usar instruções disponíveis na linguagem para o qual o programa está sendo escrito, para obter informações, realizar operações com as informações, e gerar um resultado. Cada linguagem disponibiliza uma forma de você agrupar instruções dentro de um programa, e formas de indicar quais instruções devem ou não ser executadas baseado em uma decisão, e formas de agrupar sequencias de instruções comuns que podem ser feitas por mais de um programa, e assim criar programas maiores que executam um ou mais programas menores. E assim nasce um sistema 😀

Conclusão

Nesse ponto, saímos do conceito global de Informática, e entramos na parte de Processamento de Dados e Programação, que vamos quebrar em pequenos pedaços a partir do próximo post.

Agradeço novamente a todos pela audiência, e lhes desejo TERABYTES DE SUCESSO !!!

Referências

 

 

 

 

 

 

Um comentário sobre “Introdução a Informática – Parte 04

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s